Bem-vindo Visitante

Conselho aprova resolução com manifestações de apoio à reabertura das agências do INSS

Data: 25/09/2020


A retomada parcial das perícias médicas, protocolos de segurança e agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em funcionamento em todo o país foram temas abordados durante reunião do Conselho Nacional de Previdência (CNP) nesta quinta-feira (24). “Estamos trabalhando de maneira clara e com muito diálogo, a perícia é um serviço essencial, um direito do trabalhador, e nosso compromisso é garantir uma retomada gradual e consciente, cumprindo todos os protocolos do Ministério da Saúde”, afirmou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

 

Os conselheiros, por unanimidade, aprovaram uma resolução em apoio à reabertura das agências do INSS em todo o país. O CNP é formado por representantes do governo, dos empregadores, dos empregados e dos aposentados.

 

De acordo com o balanço apresentado durante a reunião, de 762 peritos médicos federais que deveriam ter retornado ao atendimento presencial nas agências, 477 compareceram aos seus postos de trabalho. Foram realizadas, até às 16h, 4.169 perícias presenciais. Esses atendimentos ocorreram em 202 agências com Perícia Médica.

 

“Durante os últimos três meses estamos em diálogo com os peritos médicos federais e uma parcela significativa já retornou ao trabalho, eles têm consciência da importância do seu papel para a população”, afirmou o secretário de Previdência, Narlon Gutierre Nogueira.

 

Atualmente, cerca de 700 agências do INSS estão em funcionamento em todo o país. De acordo com o presidente do instituto, Leonardo Rolim, que participou da reunião, “elas estão com todos os equipamentos e protocolos de atendimento e segurança para atender o segurado. Ele informou ainda que o cidadão tem acesso a informações sobre agendamentos, agências inspecionadas e serviços oferecidos por meio do site covid.inss.gov.br.

 

O secretário de Previdência enfatizou que, mesmo nos locais que não tenham agências em funcionamento, o segurado não será prejudicado e a antecipação dos benefícios continuará sendo realizada.

 

 

Fonte: INSS